20 de junho de 2008

Seu Estrelo e o Fuá do Terreiro

Então foi assim, de acasos certos. Alguém me disse que eu era também comedora de estrelas e não sabia. Então tive certeza, por volta de Novembro de 2006, quando numa noite dessas o Dani me convidou pra visitar o Seu Estrelo. Já me foi um nome de estranhezas, e no caminho de chegada, uma estradinha de terra, cerrado e a casinha ali. Tão ali recheada de encanto.
Mergulhão? Caliandra? Domador? Samba Pisado?



Depois de dois meses eu já estava completamente mergulhada no Mito, no Baque, nas Cores. E de lá não larguei, de lá não consigo imaginar minha vida sem esses brincantes, sem essa magia toda, sem esse trupé que me guia na caída de corpo, no jogo de encontro ao que somos.
Foi com eles, com a benção de Mariasia, do Calango Voador, dos nossos que já se foram mas que deixaram o som, que conheci gente, tantos mestres, tantos sotaques e batuques...
Amanhã celebraremos 4 anos de grupo, 4 anos de brincadeira numa roda linda, que só sentindo pra contar, que só deixando os ecos de tambor tomarem o corpo, as águas de abê lavarem a alma, o que vibra em terra te marcar a pulsada.

Convido de riso largo, que venham de peito aberto e sintam todo nosso axé.




3 comentários:

Uma menina colorida. disse...

Ai que eu te vejo ali.. linda... saltitante. É de apaixonar, nêga. Vc assim, sorridente é exatamente como aprecio.

Post lindo por "n" motivos.
E aquela vontade que fica de sambar com vcs...

Cineasta 81 disse...

Serei o próximo a conhecer

Dre disse...

hippie. ahahaha