28 de abril de 2009

27 de abril de 2009

26 de abril de 2009

De Brasília trouxe cores.

Zizi das sonoridades é o abraço mais esperado, longo, às vezes molhado ( suor de quem tanto dança). No descompasso, abre bem a boca, me coroa com o riso largo. Linda e sonora, sempre. Em cambaleios pintada, densa.Na correria de vida, desvios, indas, repique. A gente se esbarra, e da última vez não poderia ter sido melhor. No samba, no quente, adormecendo a alma de tanta cadência.É assim, fluindo sem muitas rotas, transbordando de saudades mas caindo sempre aos acasos. ZiZzZZzZzi borboleta pousou em mim, o que me rendeu tanta coisa boa. E agora a casinha no caos espera a dona moça para mais cambaleios e brindes.

Aos domingos!!


O dia lindo de sol arregalado, daqui um vento gelado arrepia nossas nucas, ainda com sono, domingo de céu aberto. Ainda me adaptadando ao novo apartamento , a barulhenta avenida que nos abraça e a deliciosa rotina de morar com pessoas amadas...vou de No Found, interessante coleção de fotos ( de vários fotografos que muito admiro) com a curadoria de Emeric Glayse. Bom domingo, vento gelado que nos cora as bochechas.


[ jh engstrom ]


23 de abril de 2009

Salve São Jorge, Salve Ogum!

[ sara mello ]

"Eu andarei vestido e armado com as armas de São Jorge para que meus inimigos, tendo pés não me alcancem, tendo mãos não me peguem, tendo olhos não me vejam, e nem em pensamentos eles possam me fazer mal(...)"

Adorei essa subjetiva!




Foda essa propaganda...via fluctuat

22 de abril de 2009

é saudade do narigudo.

E aquela sensação de coração saindo pela boca nunca foi agradavel mesmo, ainda mais quando o que o arrancava da cama quente era o celular. Mas escutar a voz de quem a saudade sopra todas noites, quando o vento lambe a nuca trazendo calafrios, a voz veio doce de leite e amansou o corpo que pelo susto tremia. Marcamos o encontro para beve, e eu já imagino o riso lindo que ao me receber em São Paulo ilustra o que todo meu corpo cansado pelas 14 horas de viagem sentirá, rindo, manso, rindo declarado, rindo de vontade de agarrar pelos braços, morder as orelhas, lamber o nariz e rir de amor. Entrelaçando os dedos, num reconhecer de corpo...e de cheiro. Porque dois narigudos como nós, ótimos em registrar perfumes nos cheiramos discaradamente enquanto a cidade pulsa quente e barulhenta.

Em São Paulo


[ alessandra cestac]

O trabalho da Alessandra foi linkado no ponyXpress e revendo o flickr da moça deu muita vontade de fotografa-la. Vale a pena!


borboleta zizi posou pra mim!

[ desliz ]

Mas ainda não subi as fotos, deixo uma prévia sem edição do que foi e do quão bom foi fotografar essa querida.....chegando em são paulo atualizo o desliz.

a felicidade


do simples encontro.

16 de abril de 2009

Balkan Erotic Epic

Esse é o nome de um dos trabalhos de Marina Abramovíc, pioneira no uso de performance como uma forma de arte visual. Utilizando o corpo como tema e mídia, Abramovíc expos Balkan Erotic Epic em São Paulo em 2006. Não vi, mas é uma dos trabalhos que mais aprecio.


"...as pessoas acreditavam que havia na energia erótica algo sobre-humano que não vinha delas, mas forças superiores. Objetos obscenos e genitais masculinos e femininos têm uma função muito importante nos ritos de fertilidade e agricultura dos camponeses balcânicos." Marina Abramovíc


"Na antiguidade contudo, a exposição da nudez em orgias e danças ritualísticas atuava como uma válvula de escape para a aenergia erótica e como a reconexão com o corpo do universo no momento do êxtase místico" Fulvio Salvadori.

No youtube a gente consegue ver alguns trabalhos de Marina e vale a pena!

15 de abril de 2009

Clarice e eu.

"estava vivendo menos do que podia e imaginava que sua sede pedisse inundações"

corpo nu.

[ 1880]

[ 1850 ]
Estudando nus masculinos para um novo projeto. Aqui são dois daguerreótipos de autoria anônima.

14 de abril de 2009

sou de muitos abraços.

Deixei violetas na sala, gavetas recheadas, incenso de massala. Janela aberta, o cacto sentindo a ventania do décimo andar. Algumas certezas que pra cá amarelaram, é que vou tecendo manso, mastigando bem que é pra não engasgar!
Aqui em Brasília o pé de hortelã vingou, aprendi que salpicar pimenta no brigadeiro faz cosquinhas no céu da boca, entendi que as visitas não foram a toa. Abracei minha história e me deixei desaguar salgada, intensificada com o acaso. Ainda estourando de saudade, vou reencontrar os amigos num sambinha bem malandro. E deixar que o amarelado me tinja só depois de muito suor.

verde que te quero verde


to verde esperança.
e vesga assumida. (ra)

Jackson Eaton


12 de abril de 2009

hô lá em casa.









Pois é...agora sim posso dizer, hô lá em casa, de boca cheia, de casa cheia, cozinha movimentada, quarto de aconchego. Moramos pois!!

3 de abril de 2009

Santa Cecília.

E ficamos um bom tempo em silêncio, namorando o que as janelas arregaladas do apartamento nos declaravam. Muito do céu, prédios, antenas, o trânsito de pessoas caminhando cansadas, carregando sacolas, cachorrinhos encouleirados. Ventania o céu que se tingia chumbo, o sangue que me corria tão quente, em festa pelo novo.Nos mudamos, ventania. E amanhecer em casa foi uma das melhores sensações que pude ter depois de largar a terra vermelha de lá.