26 de março de 2009

Não me deitei nesse chão de tangerinas incendiadas


Como cheguei aos 24 anos, sem nunca ter visto Lavoura Arcaica antes?

Porque ontem só consegui dormir depois de mastigar bem algumas palavras , depois de passear muda pelo desfoque da fotografia, carregada de breus e janelas arregaladas, das texturas, que quase toquei, de me sentir revirada. Gelada com os ecos, é mesmo o mergulho que precisava.





25 de março de 2009

S. diz : eu sou apaixonado por essa portuga






E eu fiquei átimos de segundo após abrir a página da moça!!







...



Foi bom de observar, a luz que te abraçava pela manhã. Amiudada, ganhando rumos em tão pouco tempo. Na cama ainda, te vi levantar zonzo, e se vestir tao lentamente, que o barulho do tecido contra a pele me dava ainda mais sono.

23 de março de 2009

69-Praça da Luz

Foi na despretensão de correr canais, sentadinha no sofá enquanto o sono não vinha, que encontrei um documentário excelente. 69-Praça da Luz de Carolina Markowicz e Joana Galvão que aborda em 21 minutos as histórias de 5 prostitutas mais velhas que trabalham ali na Praça da Luz. Vale a pena assistir, as histórias muitas vezes são cômicas mas também te tocam absurdos porque de fácil essa vida não tem nada. Você pode assistir o filme aqui no Porta Curtas ( que por sinal é um excelente site para sacar como anda a produção nacional) As meninas estão de parabéns.



video



O teaser eu retirei do blog da Joana e só consegui postar aqui porque o André ( namorado lindo) me ajudou. Brigada amor.

14 de março de 2009

Na Luz dia desses.

Passar 3 minutos que seja observando as pessoas aqui na Estação da Luz já me vale o dia. Agora mesmo um moço toca piano no centro do salão, algumas pessoas paradas em volta, mulheres elegantes, homens com pinta de malandro, casais, guardas, algumas crianças grudadas nas mães. O calor de ontem fez chover e agora entra um vento fresco que lambe matinal as colunas brancas do prédio. Acho que poucas pessoas percebem o vento dando a graça nessa manhã calorenta!

Bom dia!


13 de março de 2009

11 de março de 2009

oi.

Sentia as pernas bambas enquanto descia as escadas, as mãos trêmulas. Era certeza de que a voz não sairia quando o encontrasse pra enfim mandar aquele filho da puta pro inferno. Era esse tempo seco e quente, as ruas fervem, pessoas circulando mais agitadas...na garganta uma sensação ressecada. Só um grito filho da puta pra irrigar todo o corpo, resfriar aquela cena...e deixar pelo menos uma gota gelada de alívio. Nem sempre ser mansa é o caminho, morder também faz parte do jogo, mas cinismo é escudo de gente fraca.
...


Nunca gostei muito de quartas mesmo.



selfs de Larissa



[ lovefromlarissa ]

Cansa as vezes mas vale a pena passear pela galeria da californiana Larissa. Gosto da idéia dela se fotografando em casa além de ser linda a moça!

10 de março de 2009

Para amanhã e sábado!

Conheci Donazica pela desastralos, que me gravou num cd algumas deliciosas vozes femininas. Donazica foi uma das seleções e me bordou o começo de 2008 lindamente. Mudanças tantas, encantos e desencantos, nunca vi nenhum show da banda. Mas entretanto, a familia segue seu rumo e cada um por si também me basta e muito. Então foi pesquisando os trabalhos solos de cada um ali que me achei! Iara Rennó, Anelis Assumpção, Andréia Dias, vale a pena e eu já falei delas aqui mas retomei o assunto porque recebi o flyer do show da Andréia que vai ser amanhã ali na Consolação! E até que enfim começo a experimentar de fato, de bem perto, o que eu escutava no fone de ouvido enquanto cruzava as asas!



Ok, só mais uns confetes, avisos largos de que Comadre Fulozinha está de volta, e que delícia!! Dia 14 agora lançamento do cd no Centro Cultural São Paulo! Aie!
...
Essa loucura de vida que só faz mudar, ainda bem. Ainda bem que de repente me deparo ainda abismada com o horizonte, sem ar, buscando estrelas no céu chumbo que faz aqui. Ainda bem que esbarro com velhinhas de vestidos, com cachorros vadios, comigo perdida desviando de poças, mas sempre molhando a nuca. Às buzinas a sinfonia desnecessária, minhas mãos beliscam folhinhas, procuro arruda, alecrim. Assim assim, ainda me tomo no susto, soluço. Essa vida que só faz mudar, nada engessa, nada meu amor. Nem teus planos tão trabalhados, contornados daquela falsa solidez, nem tua reza, nem os sentires se fixam assim. Tudo segue, evapora, resignifica, de-forma. E os novos gostos, é pra estes o meu cuidado de agora, cuida também e segue atento. Porque nada vem a toa.