28 de agosto de 2008

bla pla e zzzzZ

...sobre o brando, teu sereno jeito. É sobre esse despertar manso, quase amornado, preciso contar. Meus dias correram amiudados, do lento escorrido, sinfonias deleitadas, frutas, castanhas. Meus pés descalços mais uma vez. Um pouco de calma, alguns goles de tédio, quase sonolenta.
Em algumas manhãs saudei o sol, de riso largo, o céu esbranquiçado. A seca em Brasília já maltrata, as vezes sou sem ar.É que defini um ponto, e estar tão fora dele agora me anestesia. É estranho sabe? Estou quase escapando desses planos, recortando tudo outra vez.


(** é claro que depois desse chocolate, minha vida mudou!)

se liga nesse cara!

Ilovefake Photography


Bom dia quinta!

Miss Poledance pra vocês. Flui!




** só preferia sem esses sapatos né?

(via)

26 de agosto de 2008

desliz no flickr!

Oi!
Desliz agora também tem flickr!
=]

Cena Contemporânea!!


O Festival Internacional de Teatro de Brasília começa hoje e quem abre a festa é o grupo israelense Orto-Da Theatre Group, com a peça Stones!! O bacana é que a apresentação é gratuita e será as 19:30 no Museu da República ( vulgo Bola de Nyemeyer). Vou lá fotografar, rá!

A programação está todinha no site e vale a pena conferir!

Joanna às terças.



[Joanna Drazek]

Lindo trabalho de edição!!!

25 de agosto de 2008

silenciosamente.

"...sim sim, emanava um perfume laranja de pele fresca de boca molhada, lábios em curva.
Era um sim entregue, era delicioso pensar no sangue que lhe corria o corpo, toda extensão de pernas e pele que ia se roseando, tingindo bochechas, úmida.

Licorosa, passou pela porta de vidro e a roleta que faz aquele barulho de sempre...o mesmo do ônibos, o mesmo do metrô... desligou o celular, retirou os fones e silenciosa chegava a sala das estantes quando esbarrou em meninas sorridentes, de pele sardenta que saiam de lá.
Ahh biblioteca...amava aquele lugar. Mas o amor era mesmo a tensão de estar mergulhada num silencio agonizante, mergulhada numa imensa vontade de berrar e sentir-se reverberar pela sala empoeirada. Estantes e estantes com tantos volumes e cores variadas e as pessoas que alí sentadas liam, liam, dormiam, a observavam passar de saia.Verde era a saia, verde era a capa do Bretch que procurava, mas há Ionesco bem alí, a Cantora Careca, Sade e Jung... chegou ao corredor estreito e severo. Os clássicos densos e os dedos que deslizavam pelos livros...procurava sem rumo algum que lhe chamasse.
Passeou com os olhos em negrito, colhidos de uma manhã delicada, e parou fixa, imóvel e quente diante da pele das mãos de um homem. Os poros, e pêlos , as unhas e a linha... sorriu!Os dois se olharam, se aproximaram. Já se conheciam, já se observavam há meses, já se deliciavam em intenções diversas. Já se tocavam deleitosos de si...

ele sem medo, ela em segredo."

(retirado do antigo blog)

Feist! Bem bonitinho pra vocês.

...

Inacreditável a minha sorte para absurdos do acaso.
...
às vezes pra bem.
às vezes pra mal.
tem muita gente sem noção no mundo cara!

JR!

[ JR ]

Segundas em cores.

Passo horas em livrarias, e foi num desses passeios que achei minha próxima aquisição. Rá.

Graffiti Woman de Nicholas Ganz! É uma seleção muito bacana de graffitis feitos por 125 mulheres escolhidas no mundo todo. Procurei bastante as tupiniquins e pretendo linkar aqui algumas anotadas. Mas começo com uma moça de traços suaves, trabalho delicado. Jana Joana. Juro que procurei o site da moça e só achei um coming soon. Mas ok! Enquanto isso a gente passeia pela arte dela em Sampa ou pelo livrinho mesmo!
né?

24 de agosto de 2008

mimimi

De repente acordo com uma ressaca monstruosa, mas é mais uma ressaca de cansaço. Ontem dancei muito com Andressa, sair pra dançar com ela é mesmo pra me lavar a alma. Acho que não dançaria tanto na vida se não fosse por ela. Mas voltando ao despertar, sim, acordei de ressaca e com um puta som rolando na porta de casa. Lembrei então que moro no bairro dos cariocas...eles tão com metade da bateria ( que convenhamos já é tão mínima) da escola aqui na porta!! Uma delícia essa batucada solta, rápida, quebradona...tacumtátatata.Mas no meio da bagunça toda me toquei que pensava em ti. E senti saudade.



que te tateia a pele fina!


21 de agosto de 2008

acordando.



...das manhãs que me olha faceiro, perder mesmo a estribeira entre as coxas, convidou-me tuas pernas. Enroscadas de um abuso, das preguiças matutinas, rasgando meu juízo. A janela anuncia caminhos e bordas.Sinto um pouco da luz que passeia pelo quarto, sinto tua boca que mordo, avermelhada.Matutinas danças, teus dedos em meus cabelos, num emaranhado ,teus dedos entre minhas pernas, ainda lento, ainda que me acorda.
Corpo quente que desperta.

virgílio procês!



Ah porque o Virgílio é foda mesmo!

delicadezas de Corneli





É que não consigo parar de olhar o trabalho da armena Lilya Corneli. São auto retratos cheio de texturas e recortes delicados.Muito delicados, música de piano, poema sussurrado.Quase dói!

Vou de Beirut!

Timmy Lee


20 de agosto de 2008

entre dedos.

agora quero falar de você. na verdade dizer que entrelaçar os dedos enquanto passeávamos pela minha cidade, te beijar a nuca antes de cair no sono ou mesmo rir a toa, solto e sem rumo. Só rir, um com o outro, dos tropeços, piadas, da preguiça boa de sentir junto. simples fim de tarde, das luzes todas amareladas, das rimas óbvias àquela noite, me perder contigo fez mais sentido.curvas bruscas rumo à pizzaria em são paulo, bêcos calmos rumo à festas batidas em brasília. um pouco de tempero, rufada de tambor.
por perto, bem perto. sem contornos.me fez bem.
bem vindo à minha vida eu quis dizer quando te dei mesmo o primeiro abraço.


o público e o privado...



15 de agosto de 2008

grrr

sobre o caos? porque floreio demais nesse espaço. hahaha
então hoje passei o dia brigando com a descarga, com o cano da máquina de lavar roupa que estourou, com o gás que acabou e com um cliente que não me paga. briguei com o tempo dos aquarianos que sempre tão na sussa e que atrasam deveras. com o espelho que tende a me engordar sempre (rá) e com quem me bate à porta( assanhado) num momento mais doninha de casa possível da minha vida atual.
briguei comigo porque não estou assistindo karina buhr no studio sp exatamente agora ao invés dessa pasmaceira aqui em Brasília a base de vodka e olimpiadas que me abateu na noite de hj véspera de lua cheia.
hmm lua cheia....isso deve ser culpa da lua cara.


ah pra quem se interessar? Karina Buhr por favor, deliciosa música!!

12 de agosto de 2008

...até aprendi a fazer uma sopa nova.

ainda de manhã.

Entre brechas, entre os goles. Nossos brindes. Sempre gostei de olhar às escondidas. Rabo de olho...
Foi quando você decidiu abrir as janelas e estava tão feliz, ria solto, me falava sobre Espanha. Sentou ao meu lado, esses dias tão quentes, a chuva não chega. A música era muito boa, o vinho nem tanto.
Mas tivemos boa sobremesa, época de morangos. Me lembra de um hq que quero comprar, me lembrou a Clarice e suas citações sobre o efêmero que tanto me abraça. Meus três pontinhos, não sei ser comedida. Já assumo que minhas exclamações também são abusadas. E que venham os astros, não me sinto nada capricorniana....me sinto aos esbarrões, aos reboliços, aos rebolados...as mãos delineadas e entregues à merce dos acasos...
acasos.

Mais um gole de vinho barato, precisei correr. Mais um dia de oficinas, hoje toco gongue...chego em casa mais tarde, noites frescas nos esperam. Mando as fotos do almoço e mais aquela dolorida de Cartola.
Um beijo


Menina!


Me diverti um bocado lendo Menina Infinito de Fábio Lyra. O HQ conta a história de Mônica, "Como ela mesmo diz, é uma garota normal. Ligeiramente neurótica, discretamente acima do peso, insegura e adorável. E, como toda pessoa normal, não é igual a ninguém."
Quadrinho cheio de referências, rock e romances atrapalhados.Pessoas que fazem coletânias em CD-R , eu que já fiz muita coletânia para ouvir e amar no intuito de conquistar alguém, mas na época eram em K7s!!! Céus.

Muito bom e com certeza mais um pra minha lista ( assim que tiver dinheiro para mimos ). Então o site do Quadrinho, o myspace do Lyra e de lambuja a trilha sonora que casa muito bem com o clima do HQ.
vale!!!




Deslize!

[ desliz ]

8 de agosto de 2008

Confraria das Sedutoras

Por favor, baixe 3 Na Massa e seja feliz!


Carta ao amigo do litoral.

Poetas...
O que seria da gente sem tantos versos, tanto pranto em verbo? Minuciosamente costurados em noites solitárias, doloridas, que renderam sambas, que rogaram pragas, que fizeram o garçom trazer mais uma?
A gente bebe dos desgostos, das tertúlias, das fantasias....a gente também verbaliza a dor. Às ressacas de grande amores, tumultos chorosos. Sofrer de amor é tão clichê mas nunca deixou de ser peculiar. A dor é a mais pesada do mundo, o tempo rasga os dias, nem os perfumes das frutas inebriam. E a cura? Porque se adoece de amor, se adoece de desamor...
Mas há ainda o pós, sabe? É aquele cheiro de ruína, aquele silêncio depois das bombas, depois dos gritos...que é o oco. Poucas vezes passei pelo oco, sempre deixava amores e antes mesmo que parasse de soluçar já me agarrava à outras paixões, você mesmo me viu assim uma vez. Mas acho que já estava oca quando começamos a nos corresponder novamente. Um vazio desse de sentir o tempo sem graça, os dias amarelados. O tesão condensado em mim e somente em mim. É ruim quando não há comunhão.

Estive em SP, passei uma semana visitando amigos e contatos profissionais, essa semana me fez pensar em muita coisa, voltei pra desapegar de muito que tenho aqui. Um desapego material, desapego de orgulho, desapego de amores que ficam. Quase não volto, mas tinha a exposição, outros compromissos de trabalho. Lá em SP senti de novo as bochechas coradas, de uma ternura sabe? Foi um mergulho de calmaria. Voltei acarinhada, menos oca, me sentindo viva pelo simples fato de estar encantada. Simples fato....como se assim fosse. Mas o que quero dizer é que essa "oquidão" é só o silêncio pós guerra...logo se escuta música e nem sempre ela vem com outra pessoa. Pode vir em projetos, em descobertas, num bombom delicioso de cupuaçu, numa encarada em frente ao espelho.
Eu acho que renascer pode acontecer a qualquer momento, feito um susto, sem preparações, sem ansiedades. A gente se toca que está vivo de novo e pronto, todo o pranto a gente samba, todo rancor a gente desenha, e bebe mais uma brindando sim aos poetas.


Um beijo em ti e vá a praia por mim.
T.

7 de agosto de 2008

at cofee

cores


trabalhos lindos no flickr e no deviantart da moça!

Bom dia!!





Vou de clássico em quintas....

tá lá.



Sempre tive uma enorme insegurança ao expor qualquer coisa que não fosse na internet, ( isso é estranho mesmo) essa foi a quarta vez que faço miúdas exposições. E claro que insegura continuo..ainda me acho despreparada e sofro de agonia ao ver alguém chegando perto, passando alguns segundos em frente de cada foto, saindo manso. Eu tenho vontade de romper o silêncio com um berro...

Porém agora, depois dessa exposição relâmpago e estranha, depois de algumas cervejas e conversa deliciosa com Dedurinha...to achando um bom exercício tudo isso. Perder o cabaço com público, perder a hipócrita sensação de proteção quando não estou ali, presente na fruição alheia.
Quero esporros, tapas, risos...quero que falem mesmo que tá uma merda!
Rá.

5 de agosto de 2008

das bocas.

Enquanto lembro de boca, texturas e gostos, cacei as minhas cenas preferidas de beijos ( e suas variadas formas de ser)!! Mas elas não caberiam aqui, ou deixariam esse blog absurdamente meloso, então...linko 3 deleitosas cenas ok? Num repentino surto romantico...não me estranhem.

**Começo com a cena do carro, sabe? Chuva, música e os centímetros largos que distanciam o primeiro beijo! ai
My Life Without Me de Isabel Coixet



**** Uma ótima forma de acordar alguém, assim na malemolência adocicada. Adoro essa fotografia também. My Blueberry Nights de Wong Kar-wai.




***** E claro que essa cena não poderia faltar! Vendas e texturas. Lucía y el Sexo de Julio Medem





Então é isso,
beijo, tchau!

me apaixonei por Autumn



Autumm Sonnichsen nasceu em Los Angeles e com 23 anos já morou em Paris, Nova York, Berlim, Cape Town, Cairo e desde 2005 reside aqui no Brasil. oO
Foi editora de fotografia da revista Ele Ela, já teve ensaios publicados na Playboy, Maxxi, Trip e em outras revistas.
Achei duas entrevistas dela muito bacanas. Inclusive uma com auto-retratos ilustrando a parada toda. E de fato linda ela, linda!!



coloco aqui um trecho da entrevista concedida ao João Wainer e publicada no Fotosite.


** E o lance de clicar mulheres nuas?
Eu sempre fotografei mulheres. Era meu tema desde as primeiras fotos. Eu comecei a trabalhar sério fotografando mulheres nuas aqui no Brasil. Antes eu fazia muito mais moda, mas agora ficou mais difícil fazer, porque as pessoas acham que eu quero fotografar todo mundo pelado. É complicado isso nas revistas. Quando eu só fazia moda, antes de toda essa fama de fotografar mulheres peladas, eu trabalhava mais. Acho que as pessoas me levavam um pouco mais a sério.
O que te atrai na nudez?
Eu gosto de ver o povo em situações íntimas, íntimas de proposta. E uma foto de paisagem sempre fica mais interessante quando tem alguma pelada lá no meio de tudo. Helmut Newton falou isso. No meu trabalho, em geral, eu quero fazer uma coisa que tenha uma linha universal, que todo mundo possa entender. Quero fazer uma arte que até o cara que trabalha no posto de gasolina possa entender por instinto, mas que ao mesmo tempo o curador de um museu possa levar a sério.**

Ela tem um site muito bom e um blog que é uma delícia: The Accidental pornographer...
leiam também a íntegra das duas entrevistas, uma no fotosite e outra na Xplastic

ai.